Críticas publicadas:

09/03/2005 - Digestivo Cultural
Arquitetura e harmonia


Quarta-feira, 9/3/2005
Arquitetura e harmonia
Ana Elisa Ribeiro


Falar de arquitetura nesta coluna soa estranho. E é, se você que lê tiver a expectativa de saber sobre truques de acabamento e telhados complicados. O caso aqui é outro: a arquitetura das palavras, que é executada com a maestria de um Niemeyer pela gaúcha Cíntia Moscovich, no livro Arquitetura do arco-íris (Record, 2004).

Entre pela porta da frente, pise com o devido respeito e adentre a casa de uma família judia que carrega o holocausto nas costas, mesmo sem querer. Conheça a personagem criança, que cresceu com avó e pais e teve um pintinho de estimação assassinado. O conto é de extrema delicadeza, embora o tema seja áspero e doloroso. Judeus e não-judeus sentirão queimar as faces à medida que conhecerem o quanto é baixo o preconceito.

Dos dez contos que compõem a obra, alguns se alojam na memória do leitor e passam a fazer parte do arquivo das coisas belíssimas que se lêem na vida. A paixão por um cego, o sexo pelo tato, as cenas insinuadas de amor, a elegância das narradoras, sim, todas mulheres, tudo faz parte de um mundo no qual se entra, provavelmente, pelo arco-íris e não se sai fácil.

Ler Moscovich, neste caso (e imagino que não menos em outros), é compartilhar uma experiência de falar suave e transmitir uma mensagem rude. Com a sensatez de uma escritora experiente, Cíntia urde personagens em histórias aparentemente banais, no entanto de extrema importância para o mundo dos afetos, dos sentidos, das afeições. Enfim, a arquitetura das humanidades, das relações, sejam elas quais forem, e suas incompreensões e ligeirezas.

É lamentável que se sinta tanta vontade de comparar quando se lê um autor contemporâneo. E embora eu saiba disso, não me contive. Foram balísticos meus pensamentos que insistiam em cair na experiência de ler Clarice Lispector e resvalar em Cíntia Moscovich. Não são iguais e nem gêmeas, mas são narradoras contumazes e elegantes de um cotidiano cinco centímetros acima do chão. O olhar de quem alucina aparece nas duas, embora Moscovich tinja com suas cores a obra que, de fato, lhe pertence. São traços desta uma inteireza e uma tônica etnográfica que aquela não tinha. E assim vão se fazendo, na autora, os estilos muito particulares; no leitor, as referências e a intertextualidade, obrigatória para quem deseja um mínimo repertório.

Arquitetura do arco-íris foge à regra dos livros de contos que contêm pinceladas de pequenas histórias, não é de microcontos e nem tampouco está para a literatura como a pornochanchada esteve para nosso cinema. Não é um livro cujo nome foi transplantado de um conto homônimo e nem quer ganhar aplausos pelo virtuosismo. Trata-se de um livro cultivado, escrito por uma autora sem pressa, que respirava enquanto o tecia, bem-selecionado e cheio de pontes por onde o leitor transita sem notar arremates e remendos.

Se Ivana Arruda Leite (outra referência fácil) escreve com as técnicas de um Pollock, Moscovich tem a nuança doce de um Goya. Cada qual com suas belíssimas paletas de cores.

Ler Moscovich faz a fuga da memória parecer branda. Dá a conhecer uma arquitetura que a literatura brasileira não tem mostrado. Arquitetura do arco-íris é de autora que investiu nos alicerces, tanto nos próprios quanto nos da obra. Habite-se.

E mais uma
Não quero fazer parecer pouco o que é grande o suficiente para sair por uma editora. Andréia Del Fuego fez nascer o Minto enquanto posso, pela editora O Nome da Rosa. Numa linha bem diferente da arquiteta mencionada aqui em cima, Andréia entra nos temas quentes, nas cenas de sexo, no prazer suado de casais instantâneos ou no desprazer agônico de parceiros ordinários.

Embora o livro mostre fôlego para uma continuidade gêmea, Andréia Del Fuego ainda não estabilizou uma literatura harmônica e sincera e os desníveis do livro são nítidos para um leitor habituado à leitura do conto, especialmente do conto que vem sendo escrito por mulheres no Brasil. Certamente, a autora de Minto enquanto posso fará a mesma ascendente que outras fizeram. No entanto, para quem gosta e quer curtir uma seleção de contos bem erótica, pode acender a luz-negra e entrar com tudo nesta obra.

Paralelos no papel
Está na roda o livro Paralelos, derivação de papel do site Paralelos.org, que expôs a literatura produzida no Brasil e, especialmente, no estado do Rio de Janeiro, que, segundo alguns, andava meio apagadinho do cenário nacional mais evidente de produção literária.

Segundo o que se divulgou, Paralelos, o site, tinha como uma de suas metas "mapear" a literatura nacional, principalmente aquela que escapulisse do cenário paulistano e conseguisse emergir em meio ao massacre dos bandeirantes, com tantas minieditoras e tantos escritores adotivos e naturais. E o Paralelos, o site, fez tudo isso, enquanto estava na Internet. Chegando ao papel, inegavelmente ainda o fetiche geral da nação de escritores e escreventes, o Paralelos, o livro, encheu dezenas de páginas de contos de escritores escolhidos entre nativos do estado do Rio de Janeiro, o que nublou um pouco sua disposição original de abertura. Parece que o papel é a reserva ecológica dos organizadores e dos escritores.

Afora isso, entre os 17 escolhidos pelo sotaque com X estão bons representantes da nova literatura, como, por exemplo, Crib Tanaka e Jorge Rocha, donos de uma narratividade vigorosa.

Leia-se o livro e, se quiser, leia em voz alta, mas não se esqueça de pronunciar os X antes das consoantes...

Para ir além













Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 9/3/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Roteiro de um ano de Lisandro Gaertner
02. Armandinho, o subversivo, versus o Cabeça de Melão de Lisandro Gaertner
03. Desorientação vocacional de Lisandro Gaertner
04. Como não ser publicado de Lisandro Gaertner
05. A História das Notas de Rodapé de Lisandro Gaertner
Mais Ana Elisa Ribeiro
(clique aqui) Arquitetura e harmonia - 9/3/2005 Ao livreiro sem noção - 23/2/2005 O clássico e a baleia quadrúpede - 9/2/2005 Sexo pra quê? Texto onde? - 26/1/2005 Desejos e argumentos para 2005 - 12/1/2005 Editores e editores - 29/12/2004 Norah Jones e a massa - 15/12/2004 Desvirtualização no Itaú Cultural - 1/12/2004 Escrever ou ser mulher - 17/11/2004 A primeira vez de uma leitora - 3/11/2004 Pequenas editoras e bundalelê cultural - 20/10/2004 Em defesa dos cursos de Letras - 6/10/2004 O que você não está lendo? - 22/9/2004 A biblioteca pública mais violada do mundo - 8/9/2004 Literatura como arte - 25/8/2004 Para gostar de ler - 11/8/2004 A hora exata em que me faltaram as palavras - 28/7/2004 Sobre bebês e parasitas - 14/7/2004 Quando a poesia me surpreende com seus chás - 30/6/2004 O amor e as prateleiras de livros - 16/6/2004 Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004 Quando escrevo, tenho dito - 19/5/2004 A minha casa, sua casa - 5/5/2004 Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004 Ainda a insustentável leveza do cérebro feminino - 17/3/2004 Mulheres de cérebro leve - 13/2/2004 As veias iluminadas da baleia cinza - 21/1/2004 Descobertas responsáveis - 18/12/2003 Insatisfação - 10/12/2003 Saudade... - 19/11/2003 O que é um livro? - 5/11/2003 E cá já moiro por vós - 13/10/2003 Apresentação autobiográfica muito solene - 27/8/1975
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2005
01. Sexo pra quê? Texto onde? - 26/1/2005
02. O clássico e a baleia quadrúpede - 9/2/2005
03. Desejos e argumentos para 2005 - 12/1/2005
04. Ao livreiro sem noção - 23/2/2005
05. Arquitetura e harmonia - 9/3/2005
Mais Colunas Recentes
(clique aqui) "Dom Quixote, matriz de releituras" por Celso Augusto Uequed... "Menina de Ouro: fantasmas e perdas" por Marcelo Miranda - 7... "Eu sei o que é melhor pra você" por Julio Daio Borges - 4/3... "Um clássico!" por Spacca - 3/3/2005 "Clássicos? Serve Fla x Flu?" por Marcelo Maroldi - 2/3/2005 "Um romance de terror e de sombras" por Luis Eduardo Matta -... "Um livrinho, um poetinha" por Andréa Trompczynski - 28/2/20... "A prática e a fotografia" por Eduardo Carvalho - 25/2/2005 "O Rio, o carnaval, os garçons e os porteiros" por Adriana B... "Ao livreiro sem noção" por Ana Elisa Ribeiro - 23/2/2005 "Estudo das Teclas Pretas, de Luiz Faccioli" por Fabio Silve... "Observações sobre o Fórum Social Mundial" por Lucas Rodrigu... "Apocalípticos, disléxicos e desarticulados" por Julio Daio ... "Abel Sánchez, de Miguel de Unamuno" por Ricardo de Mattos -... "Dos portões abertos de Auschwitz, 58 anos depois" por Danie... "O retorno de Maigret" por Luis Eduardo Matta - 15/2/2005 "Sobre a leitura dos clássicos" por Humberto Pereira da Silv... "Uma conversa íntima" por Eduardo Carvalho - 11/2/2005 "O crime e o castigo de um clássico" por Jardel Dias Cavalca... "O clássico e a baleia quadrúpede" por Ana Elisa Ribeiro - 9... (mais ainda)
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site


COMENTE ESTE TEXTO

Nome:
E-mail:
Mensagem:
0 (número de caracteres digitados até agora)
Título:
publicar este comentário no site


* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 2500 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum;

PROMOÇÕES


Bossa Nova Lounge
Look To The Sky
Vários
por R$ 28,90


Bossa Nova Lounge
Dreamer
Vários
por R$ 25,90


Jazz Samba
Copacabana
Vários
por R$ 28,90


Bossa Nova Lounge
Gentle Rain
Vários
por R$ 35,50


Gal Revisitada 2
Gal Costa
por R$ 25,90


Bossa Jazz
Salt Song
Vários
por R$ 37,90


Samba Jazz !!
Vários
por R$ 23,90


Tropique
Samba Lounge
Samba e Amor
Vários
por R$ 36,90


Tropique
Samba Lounge
Beleza Pura
Vários
por R$ 28,90


Bossa Nova Lounge
Ipanema
Vários
por R$ 35,50


Esquina de Minas
Affonsinho
por R$ 19,90


Tropique
Samba Lounge
Emoriô
Vários
por R$ 36,90


Gal Revisitada
Gal Costa
por R$ 23,90


Bossa Nova Lounge
Corcovado
Vários
por R$ 36,90


Esquina de Minas 2
Affonsinho
por R$ 16,90


PARCEIROS










Busca

1296 visitas hoje
(2251 ontem)



<<voltar