Críticas publicadas:

29/08/2007 - Estadão
Portugal Telecom anuncia 10 finalistas

SÃO PAULO - Os dez finalistas do 5.º Prêmio Portugal Telecom de Literatura já foram escolhidos. Entre eles estão o português Gonçalo M. Tavares, um dos melhores escritores de língua portuguesa, por Jerusalém, publicado aqui pela Companhia das Letras, e o moçambicano Mia Couto, que tem uma de suas obras (Terra Sonâmbula) classificada entre os melhores livros africanos do século 20. Mia Couto foi indicado por seu livro O Outro Pé da Sereia, que acaba de ganhar o 5.º Prêmio Passo Fundo Zaffari & Bourbon de Literatura, no valor de R$ 100 mil, disputando com outros 214 romances em língua portuguesa publicados nos últimos dois anos.


Escolhidos entre 51 autores , os dez finalistas serão reduzidos a três vencedores na próxima etapa do prêmio, que já está na quinta edição. Eles serão anunciados no dia 16 de outubro e vão receber R$ 100 mil (primeiro prêmio), R$ 35 mil (segundo colocado) e R$ 15 mil (terceiro colocado), além de um troféu desenhado pelo artista plástico Paulo von Poser.



São os seguintes os livros escolhidos pelo júri: Bom Dia Camaradas (Agir), do angolano Ondjaki; Cantigas do Falso Alfonso el Sábio (Ateliê), de Affonso Ávila; História Natural da Ditadura (Iluminuras), de Teixeira Coelho; Jerusalém (Companhia das Letras), de Gonçalo M. Tavares; Macho não Ganha Flor (Record), de Dalton Trevisan; O Outro Pé da Sereia (Companhia das Letras), de Mia Couto; O Paraíso é Bem Bacana (Companhia das Letras), de André Sant’Anna; O Roubo do Silêncio (Editora 7 Letras), de Marcos Siscar; O Segundo Tempo (Companhia das Letras), de Michel Laub; e Por que Sou Gorda, Mamãe? (Record), de Cíntia Moscovich.



O Prêmio Portugal Telecom, que tem como curadora a consultora literária Selma Caetano, recebeu este ano 382 inscrições. Os dez finalistas foram escolhidos por um júri intermediário formado por 15 críticos e escritores. Desses, os componentes do júri final são: Cristóvão Tezza, Flora Sussekind, José Castello, Marcos Frederico Kruger, Paulo Henriques Brito e Tania Celestino de Macedo. Atuam como curadoras Rita Chaves, especialista em literatura africana, e Vilma Arêas, especialista em literatura portuguesa. Segundo o regulamento do prêmio, 20% dos finalistas (dois livros) devem ser originalmente publicados no exterior.



Livros, não autores



Este ano um dos mais fortes concorrentes é Gonçalo M. Tavares, jornalista e escritor de 35 anos que tem vários livros publicados no Brasil. Por ironia, Jerusalém já ganhou o Prêmio Saramago, enquanto o escritor que dá nome ao mesmo, o Nobel José Saramago, ficou fora da lista dos finalistas no Portugal Telecom. A ausência não é um demérito. O prêmio é concedido aos melhores livros, não aos autores.





Ao lado de escritores veteranos, a lista dos finalistas contempla autores da nova geração como Cíntia Moscovich e Michel Laub. A escritora gaúcha, em seu livro Por que Sou Gorda, Mamãe?, fala do drama enfrentado por garotos e garotas obrigados desde cedo a enfrentar dietas rigorosas. Laub conta, em O Segundo Tempo, a relação de dois irmãos a partir de uma partida de futebol.




<<voltar