Críticas publicadas:

15/12/2012 - Folha de S. Paulo, Guia da Folha, por Bruno Zeni
Emoções represadas

Emoções represadas

Por Bruno Zeni, Folha de S. Paulo, Guia da Folha, p. 3, 15/12/2012





"Essa coisa brilhante que é a chuva" reúne novo contos da escritora gaúcha Cíntia Moscovich, autora de "Por que sou gorda, mamãe?" e "Arquitetura do arco-íris". As narrativas giram em torno dos relacionamentos familiares e trazem o acento sulista de uma escrita direta e econômica, que dá destaque aos enredos bem urdidos e de conteúdo afetivo denso.

Os contos narram situações emocionalmente decisivas: um filho que vê a mãe judia trocá-lo pelo amante; a menina que viaja à praia pela primeira vez; um casal que adota, à própria revelia, um cachorro; a mulher que, aos 64 anos, operada de um câncer, desperta para uma nova vida.

A emoção represada das situações, que parece sempre a ponto de transbordar, é contida e deslocada pelo humor e pelo patético de personagens e situações, mas também pela habiidade com que a autora guarda para as últimas linhas o desenlace e o sentido dos textos, em geral em tom positivo e esperançoso.

O forte dos contos é a condução firme da narrativa. Outra qualidade notável é que os personagens, embora destituídos de complexidade psicológica, são capazes de surpreender e de trocar de ponto de vista e de identidade, desafiando as expectativas do leitor. Tratam-se, assim, de contos que encenam um tecido social e uma psicologia em ação. O destaque é "Uma forma de herança", texto que fecha o livro, sobre uma reforma de casa que se revela reconstrução da memória de uma vida e reflexão sobre o tempo e o envelhecimento.

<<voltar